fbpx
  1. Início
  2. Témoignages
  3. Curso de formação em ANL: um é pouco, dois é bom, três é melhor ainda!

Curso de formação em ANL: um é pouco, dois é bom, três é melhor ainda!

CiFRAN-Florence-Bajot-StageEu estava em pleno autoquestionamento profissional, e me perguntava se, hoje em dia, não havia um modo mais moderno, um pouco mais motivador para ensinar idiomas. Foi aí que descobri a ANL, em maio de 2018. Minha primeira formação atendeu às minhas expectativas, mas para mim não foi possível integrar todas as etapas. O centro de formação em ANL oferece a possibilidade,para todos os cursos de ANL e de correção fonética, de acompanhar os professores do CIFRAN e voltar a participar de cada um dos cursos já realizados, quantas vezes você quiser. Em dezembro de 2018, participei da primeira formação pela segunda vez e isso permitiu que eu entendesse melhor as etapas do processo de aprendizagem. Eu recomendo fortemente que você aproveite esta oportunidade que nos é oferecida. Nossos professores estão comprometidos em ensinar a ANL da forma mais concreta possível. Percebi como era importante ter naturalidade enquanto ensinava e também criar uma relação com os nossos alunos. É incrível como conseguimos nos conhecer em tão pouco tempo. Em outras palavras, com a ANL, não desempenhamos o papel de “professor”. A ANL permite a aprendizagem de uma língua estrangeira de forma dinâmica, inovadora e eficaz desde que o processo seja respeitado. Foi isso que eu entendi melhor voltando pela segunda vez.

Além disso, eu percebi que devemos prestar atenção àquilo que os nossos alunos dizem. A maneira de corrigi-los deve ser natural, como se estivéssemos conversando com eles. Professores e alunos são iguais. Uns aprendem com os outros. Esta é uma das particularidades da ANL e exige que nos livremos da maneira usual de ensinar, por exemplo, evitando parabenizar um aluno (dizendo “muito bom”, “parabéns!”) pois nós simplesmente não usamos essas expressões em uma conversa. Precisamos motivar os alunos e despertar seus interesses escolhendo temas que serão úteis para eles e que correspondam a situação pessoal deles.

Ao ensinar a leitura, também entendi melhor a importância de fazer perguntas específicas. Isso permite que os alunos reutilizem o modelo da estrutura da pergunta em sua resposta. Todos participam porque nas aulas da ANL, estimulamos a cooperação entre os alunos. Por exemplo, um aluno é convidado a ajudar outro que tenha dificuldade com a estrutura de uma frase. O professor pode perguntar a um aluno o que o outro acabou de responder. Então, todos prestam atenção uns aos outros.

Finalmente, qualquer tema pode ser explorado. Ao reutilizar as mesmas estruturas de frase, a reutilização é mais fácil para os alunos. A comunicação oral tem um lugar fundamental nesta metodologia. Eu observei particularmente a importância de passar tempo com os alunos, fazendo-os trabalhar a prosódia (pronúncia, ritmo, etc.). Fazendo isso, escrever se torna muito mais fácil para eles, e erros causados pela má pronúncia são quase inexistentes. Fiquei fascinada ao ver como a gramática era aprendida paralelamente ao trabalho de expressão oral que fazemos com os alunos.

Participando do curso de ANL 1 pela segunda vez, entendi melhor o elo entre todas as etapas. Finalmente, mesmo que muitas questões (conscientes ou não) tenham sido esclarecidas, percebo que é principalmente através da prática sob supervisão dos professores que conseguimos dominar a ANL e entender todas as suas sutilezas. Eu tive a oportunidade de assistir a uma aula baseada na ANL algumas vezes e também aprendi muito observando o professor.

Em resumo, assim que tiver tempo, voltarei pela terceira vez!

Florence Bajot

27 de janeiro de 2019

Menu
X