fbpx
  1. Início
  2. Compte rendu
  3. Criar “unidades pedagógicas” para ensinar com a ANL

Criar “unidades pedagógicas” para ensinar com a ANL

Joan NettenVinte anos atrás, o projeto de bilinguismo do estado federal canadense criou as condições para o surgimento de um novo paradigma pedagógico para o ensino de línguas estrangeiras – a abordagem neurolinguística – cujo objetivo era criar em sala de aula as condições ideais para o desenvolvimento de habilidades de comunicação no idioma estudado. Hoje, como a globalização do comércio estimula tanto os desejos quanto a necessidade de aprender novas línguas, fico encantada em ver que essa proposta que fizemos com meu colega Claude Germain encontra cada vez mais eco junto aos professores em nível internacional, para o ensino do francês como língua estrangeira, por um lado, mas também para outras línguas, como tenho visto por meio de encontros com os professores que fizeram os cursos oferecidos pelo CiFRAN.

A ANL permite que os alunos desenvolvam uma competência implícita (que chamamos de “gramática interna”), necessária para poder se comunicar espontaneamente, o que torna o tempo de trabalho em sala de aula mais eficaz e dá resultados mais rápidos do que com métodos comumente usados na maioria dos ambientes escolares. Para atingir seu objetivo, a ANL se baseia em cinco princípios fundamentais que orientam todo o processo: o uso da língua deve ser feito em contextos de comunicação que sejam autênticos e significativos para os alunos, onde a ênfase é colocada na mensagem comunicada, e não em sua forma, para que os alunos se sintam envolvidos cognitivamente. A chave para o sucesso de nossa abordagem está, é claro, na qualidade da prática de estratégias de ensino usadas para otimizar o tempo passado em sala de aula, mas também na exploração de recursos de ensino em relação com o conteúdo curricular abordado.

A implementação ideal da ANL não pode, portanto, ser reduzida a uma compreensão geral dos princípios neuroeducacionais e à exploração de estratégias de ensino que reflitam esses princípios. Também requer o desenvolvimento de unidades curriculares refletindo os cinco princípios dessa metodologia com a abordagem neuroeducativa subjacente a eles.

Os formadores do CiFRAN, que abriram o caminho para a disseminação da ANL fora da estrutura institucional, estão fazendo um ótimo trabalho ao apresentar a ANL aos professores que ensinam diversos idiomas em uma variedade de contextos muito diferentes. Portanto, não é surpreendente que eles tenham sido prontamente solicitados a continuar a formação inicial oferecida com um curso de aprofundamento a fim de fornecer uma estrutura metodológica para a criação de unidades de pedagógicas projetadas especificamente para todos esses variados contextos de ensino.

Com base em exemplos concretos, este curso nos permite especificar o processo de elaboração de caminhos pedagógicos desenvolvidos a partir de nossa pedagogia de projetos especificamente dedicada ao desenvolvimento da L2 e, ao mesmo tempo, detalhar como fazemos para que os alunos maximizem o uso da língua e minimizem as considerações metalinguísticas sobre ela, tudo para poderem se comunicar espontaneamente, ler com facilidade e escrever sem recorrer sistematicamente à tradução.

Durante este curso em agosto de 2018, os participantes nos contaram como é difícil abandonar anos de experiência e de desenvolvimento de materiais focados em conteúdos linguísticos para participar de um processo de desenvolvimento de materiais pedagógicos primordialmente voltado para o envolvimento cognitivo e linguístico dos alunos na língua-alvo, com uma reutilização maximizada das mesmas estruturas e o mesmo léxico em espiral em cada unidade de trabalho, como recomendado por neurolinguistas como Michel Paradis ou Nick Ellis. O trabalho foi denso, a criação das unidades certamente continuará, mas os participantes do curso, sem dúvida, compreenderão melhor os traços gerais da abordagem neurolinguística. Eles também terão uma maior capacidade de responder às necessidades de seus alunos, criando, desde o início, materiais com base em seus interesses para manter a motivação dos alunos ao longo de cada sessão.

No futuro, esperamos que cada vez mais professores possam compartilhar essa experiência tão enriquecedora.

Joan Netten

Co-criadora da ANL

Novembro de 2018

Menu
X