fbpx

Como todo professor curioso e aberto às novidades, estou sempre em busca de aprimoramentos e inovações para trazer para minhas práticas em sala de aula. Essa curiosidade me levou a abrir as portas de outras escolas de idiomas e de outros institutos, com a ideia de descobrir novas perspectivas sobre o modo de ensinar.

Encontrei pela primeira vez a perspectiva acional defendida por Ernesto Martín Peris e, com ela, a necessidade de falar, antes de escrever, no coração da classe; incentivar o intercâmbio entre os alunos e deixá-los “co-construir” seus conhecimentos e trocar dicas para aprender idiomas; saber se destacar das atividades clássicas propostas em sala de aula para levar o aluno a falar mais, a mais envolvimento no curso e em sua aprendizagem; estimular a sua autonomia.

Repensar o envolvimento do aluno também envolveu necessariamente a redefinição do papel do professor e, principalmente, a preparação de suas aulas. Para um profissional de ensino consciente, a parte preparatória do trabalho é muitas vezes igual ou até maior que o tempo real gasto nas aulas e até muito maior do que o tempo real gasto nas aulas. Além de encontrar documentos adaptados aos temas estudados nas aulas, o trabalho de formar os documentos propostos aos alunos, o desenvolvimento de várias atividades propostas (verdadeiro/falso; questões de múltipla escolha; entendimento global, entendimento detalhado, atividades em torno do léxico ou gramática; assunto da discussão / argumentação, etc.), as ferramentas tradicionais da pedagogia, inegavelmente, consomem muito tempo… e, pensando bem, contraproducentes para o aluno. Que habilidade em francês o “marcar x na resposta certa” lhe trará? Em que medida essas práticas são eficazes? Por que encontrar todas as nossas atividades educacionais em uma perspectiva de avaliação antes de ensiná-los a desenvolver efetivamente suas habilidades no idioma?

Eu já estava convencida da necessidade de questionar nossas práticas, e foi então que a “Abordagem Neurolinguística” apareceu na minha vida, oferecendo um caminho concreto, rigoroso, estruturado e exigente, tanto para o professor quanto para o aluno e, ao mesmo tempo, criativo e com a inteligência da flexibilidade adaptada ao nível do aluno. Nisso, aniquila a armadilha do livro, cujo conteúdo, pensado para um público homogêneo ideal, é ao mesmo tempo paradoxalmente um suporte e um obstáculo para o professor. a abordagem da ANL, surpreendente para os alunos, em particular aqueles que estão lá sem vontade, acostumados, ouso dizer, a ficar entediados nas aulas, desperta a curiosidade e o entusiasmo deles. A dinâmica da classe está mudando, o envolvimento dos alunos é perceptível. Mesmo estando apenas no começo desta aventura, acho que ela deve nos trazer ricas experiências de ensino.

O desenvolvimento da Abordagem Neurolinguística em sala de aula supõe a implementação do círculo da literacia.

Aqui estão alguns pontos-chave para entender o arcabouço teórico, fundado por dois especialistas canadenses em didática, Joan Netten e Claude Germain.

O cerne da aprendizagem de línguas é o desenvolvimento da literacia. A literacia refere-se à capacidade de uma pessoa utilizar a língua , e usá-la corretamente, em vez de acumular uma riqueza de conhecimentos metalinguísticos. De fato, os fundadores da Abordagem Neurolinguística ficaram impressionados com esta observação feita por outro pesquisador canadense de neurociências, Michel Paradis, segundo o qual “o conhecimento não se transforma em habilidade”. Em outras palavras, o acúmulo de conhecimento sobre a língua não é garantia de desenvolver o domínio efetivo da pessoa: a aprendizagem linguística não leva à competência linguística.

De fato, eles distinguem dois tipos de memória : processual e declarativa uma da ordem de aquisição e a outra de aprendizado. Essa distinção, que tem uma longa história no ensino de idiomas, permite que eles afirmem a primazia do oral sobre o escrito e os leva a advogar uma educação baseada em uma pedagogia de projetos, colocando os alunos em uma situação de usar o idioma como eles a encontrarão em um ambiente de língua francesa. Os componentes linguísticos devem ser integrados o mais autenticamente possível em mensagens baseadas na experiência dos alunos e do professor a insistir na dimensão do uso social da língua.

Entre as escolhas metodológicas feitas pela ANL, aquelas que particularmente atraem nossa atenção são obviamente aquelas que vão – às vezes – contra nossas práticas usuais.

Assim, o postulado inicial da memória supõe introduzir poucas estruturas novas ao mesmo tempo. Em um círculo, é uma questão de propor apenas uma estrutura, com um mínimo de vocabulário, para que os alunos realmente a usem e se apropriem completamente dela. Esta é a etapa de modelização de modelização, iniciada pelo professor e retomada pelos alunos. Não há tolerância para erros: o aluno terá que repetir suas frases quantas vezes for necessário, com a ajuda de seus colegas de classe e do professor, se necessário. Em termos de comunicação, qualidade é melhor que quantidade; uma frase curta, mas correta, ao invés de um discurso detalhado e confuso. O objetivo assumido é limitar, para evitar, se possível, a fossilização de uma sintaxe defeituosa que, a longo prazo, torna-se impossível de corrigir e, finalmente, problemática para a comunicação.

O que também emergiu dessa experiência com a ANL que eu vivi é que nossas formas tradicionais de abordar o aprendizado são todas baseadas em abordagens de avaliação: as questões de compreensão oral e escrita usadas em todos os lugares, coloca o aluno em uma situação de fracasso quando ele não tem “a resposta certa”. No entanto, com o ANL, estamos sempre situados em uma perspectiva de construção de significado dentro de uma troca comunicativa. Esqueça, portanto, os exercícios de múltipla escolha ou os outros exercícios do mesmo tipo que não permitem desenvolver a literacia.

Entenderemos então até que ponto essa abordagem requer conhecimento pedagógico, implicando paciência, moderação e um grande envolvimento de cada um, bem como um sério questionamento da visão que comumente temos da aprendizagem de uma língua – tanto do professor… quanto dos alunos. No entanto, durante o curso de que participei, longe de desmoralizar os participantes, essa abordagem exigente e dinâmica atraiu tanto os professores quanto os alunos que a descobriram ao mesmo tempo que nós! Essa é uma prova, se é que necessário, de que essa experiência terá o seu lugar em nossas instituições e de que encontrará o seu público.

Christelle Veloso

Instituto Francês do Japão – Yokohama

Curso de formaão inicial em Abordagem Neurolinguística organizado pelo Instituto Francês de Yokohama, no Japão (03-2019)

Menu
X